A soja ajuda a emagrecer e a controlar o diabete

A soja ajuda a emagrecer e a controlar o diabete

Ícone de uma alimentação balanceada, a soja deixou o berço chinês para abraçar o mundo. Respeitada pela ciência, ela ganha um espaço cada vez maior no prato do brasileiro. E, agora, novas pesquisas sedimentam seu papel contra as epidemias do nosso milênio, como a obesidade, o diabete e o câncer.

Foi-se o tempo em que a leguminosa era venerada apenas no Oriente e parecia uma exclusividade do cardápio vegetariano. Os limites geográficos do seu cultivo se expandiram, os centros de estudo se empenharam em decifrar suas dádivas à saúde e, de olho numa vida longa, os ocidentais passaram a incluí-la na dieta. Ainda há quem torça o nariz ao experimentar o grão in natura, mas ninguém pode negar sua vocação de protetor do organismo. E a indústria, antenada à tendência, multiplica as opções de consumo para quem quer degustá-lo sem sentir seu sabor peculiar — no suco, no hambúrguer e até no chocolate.

A soja é destaque em qualquer evento que reúna experts em alimentação. Não foi diferente no último Congresso Latino-Americano de Nutrição, realizado no início de novembro em Santiago, no Chile. Ali, o mundo científico trocou novos conhecimentos sobre os potenciais da leguminosa, que congrega proteína de primeira linha, gorduras do bem, fibras, vitaminas e minerais. A proteína, por sinal, não só corresponde a 40% da sua composição como protagoniza boa parte de seus efeitos protetores.

Uma pesquisa apresentada no encontro prova que, além de aliar-se à fibra para espantar o diabete tipo 2, ela previne complicações do distúrbio, como a insuficiência dos rins. “Notamos que a proteína da soja ajuda a regular os níveis de açúcar e insulina no sangue, diminuindo o risco da doença renal”, disse a autora, Alison Duncan, professora de nutrição da Universidade de Guelph, no Canadá.

No simpósio destinado exclusivamente ao grão, a estudiosa Ratna Mukherjea, líder de ciências clínicas da Solae, uma das maiores empresas de pesquisa e comércio de ingredientes à base de soja no planeta, expôs o poder da proteína frente à obesidade. “Ela induz a saciedade, ajuda a perder gordura e a preservar a massa magra”, disse. “E, como qualquer proteína de alta qualidade, dá mais trabalho para ser digerida”, explica ainda o nutrólogo gaúcho Carlos Alberto Werutsky, da Associação Brasileira de Nutrologia.

A proteína da soja, aliás, não fica atrás da similar de origem animal em termos de características nutricionais (veja o quadro ao lado). Embora não seja tão completa quanto o mesmo ingrediente oferecido pelo ovo ou pelo leite, o vegetal tem lá suas vantagens. “Uma delas é ofertar a substância sem levar consigo gordura saturada e colesterol, que favorecem males cardiovasculares”, afirma a nutricionista Marcela Roquim Alezandro, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo.

Ainda em terra chilena, uma conferência sobre alimentos funcionais — aqueles que nutrem e previnem doenças — divulgou outros achados sobre componentes da proteína da soja capazes de queimar quilos extras e desarmar o começo de um câncer. São os chamados peptídeos bioativos, explorados no laboratório da pesquisadora Elvira De Mejía, da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos. “A betaconglicina, por exemplo, participa da inibição do acúmulo de gordura”, contou a professora.

A lunasina é outra arma microscópica que barra tumores. Apesar de ser pouco absorvida pelo organismo, ela se intromete na progressão da doença ainda em fase inicial, contribuindo para a destruição das células malignas. “Nossa idéia é identificar todos esses compostos, isolá-los, testá-los e, enfim, adicioná-los a uma série de alimentos”, proferiu Elvira. Já um estudo recém-publicado pelo Chidren’s Hospital Oakland Research Institute, nos Estados Unidos, demonstra que uma molécula encontrada no conteúdo oleoso do grão batalha contra as células mutantes que formam o tumor de cólon de intestino.

Em meio a esse celeiro de agentes anticâncer, porém, o mais aplaudido é uma substância investigada há anos: a isoflavona. “Por causa dela, há indícios de que o consumo regular da soja e dos seus derivados diminua o risco de tumor de mama, próstata e cólon”, conta o bioquímico José Marcos Mandarino, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa-Soja, em Londrina, no Paraná. “A isoflavona tem elevado poder antioxidante”, justifica Marcela. Em outras palavras, é um petardo contra os radicais livres, moléculas que podem lesar o DNA e abrir caminho ao próprio câncer.

Essa defesa dos genes parece ser, inclusive, a chave para a longevidade. Uma pesquisa fresquinha da Universidade de Newcastle, na Inglaterra, indica que as isoflavonas acionam proteínas que zelam pela integridade do DNA, preservando as células e, em última instância, computando a nosso favor muitos anos pela frente.

As isoflavonas são, de fato, personagens principais de uma história à parte. E, como em qualquer boa trama, já passaram por altos e baixos. “Estudos sugerem que elas podem provocar queda da imunidade e problemas de tireoide em pessoas com tendência ao distúrbio”, diz a endocrinologista Ruth Clapauch, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Qualquer risco, no entanto, implica ingerir uma quantidade monstruosa do ingrediente, o que demandaria baldes de soja. Então, sossegue.

Outra polêmica recente envolve o consumo pela ala masculina. Trabalhos tentaram revelar um elo entre a ingestão frequente de soja e a infertilidade entre homens, mas nada foi comprovado. “É uma grande bobagem”, opina Mandarino. A pretensa conexão foi motivada pelo fato de a substância imitar, dentro do corpo, um hormônio feminino. “A isoflavona tem estrutura parecida com a de um tipo de estrogênio e, assim, pode ocupar seu lugar no receptor da célula”, explica Marcela.

Daí por que ainda se especula sobre os benefícios da substância às mulheres que atravessam a menopausa, como minimizar ondas de calor. “No entanto, como sua ação é mais fraca, não deve ser considerada uma alternativa à reposição hormonal”, salienta Ruth. De qualquer forma, incluir a soja no menu continua liberado — só exige, como tudo na vida, bom senso.

Quer mais um bom motivo para prestigiá- la? Ela resguarda o coração. A isoflavona é uma espécie de guarda-costas dos vasos sanguíneos. “Ela participa da redução dos níveis de LDL, o colesterol ruim”, afirma Mandarino. “E ainda pode elevar as taxas de HDL, o colesterol bom, e abaixar as de triglicérides.” O potencial antioxidante entra em cena mais uma vez. “A molécula evita a oxidação do LDL, condição que dá origem às placas que entopem as artérias”, explica a nutricionista Martine Hagen, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

O complô em prol dos vasos é intensificado pelas já mencionadas proteínas. “Elas inibem uma enzima no fígado responsável pela produção do colesterol”, aponta a nutricionista Hércia Martino, da Universidade Federal de Viçosa, no interior mineiro. E as fibras fornecidas pelo grão complementam essa força-tarefa contra as partículas gordurosas. “Elas impedem sua absorção no intestino”, diz Martine. O resultado desse trabalho em equipe é desafogar as artérias, que não ficam reféns do trânsito carregado de gorduras — o estopim para infartos e derrames.

A questão é que hoje a soja não só avançou na agricultura como invadiu os supermercados. E, cá entre nós, isso facilita a vida de quem não sabia como introduzir o grão na rotina. Se você não o suporta em saladas nem curte a proteína texturizada (a popular carne de soja), dá para lançar mão de produtos que nem sequer lembram o gostinho da leguminosa, como iogurtes, sucos de frutas, barras de cereal e chocolates. Para agradar o freguês, até quibe e salsicha de soja já são encontrados nas gôndolas.

Para os que decidirem convidar a semente em pessoa para vir à mesa — e é nela que se encontra o melhor mix de nutrientes —, valem alguns cuidados no preparo. A soja também tem fatores antinutricionais. “São substâncias como o ácido fítico, que podem inibir a absorção de minerais”, explica Hércia. Nada que não seja remediável com uma breve passagem pelo forno (veja o quadro à direita). Com o grão e as inumeráveis opções disponíveis, a soja tem espantado a resistência e caído nas graças dos onívoros que buscam décadas e décadas de vigor.

Lecitina de Soja 500mg
R$30,00 R$27,00
LECITINA DE SOJA 500mgComposição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina b..
Lecitina de Soja 1000mg
R$56,00 R$50,40
Composição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina bidestilada, água purif..
Lecitina de Soja 500mg
R$17,90 R$16,11
LECITINA DE SOJA 500mgComposição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina b..
Lecitina de Soja 120 caps 1000 mg
R$60,00 R$54,00
Composição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina bidestilada, água purif..
Germen de Soja Nature Soy 120 caps 580mg
R$45,00 R$40,50
GERMEN DE SOJA NATURE-SOY 580mg..
Germen de Soja Nature-Soy 60 caps 280mg
R$26,00 R$23,40
Germe de Soja Nature-Soy 580 mg..
Lecitina de Soja 120 caps 500mg
R$40,00 R$36,00
Lecitina de Soja 500mgComposição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina b..
Lecitina de Soja 60 caps 500mg
R$23,00 R$20,70
Lecitina de Soja 500mgComposição: Óleo de Lecitina de Soja, gelatina farmacêutica, glicerina b..

Amway Global dispara 90% no mercado brasileiro

São Paulo – A Amway, líder mundial em vendas diretas multinível, anunciou um faturamento global de vendas em 2010 de US$ 9,2 bilhões, 9,5% a mais do que o registrado no ano anterior, só no Brasil, a Amway alcançou um crescimento de 90% em 2010. Neste ano, a empresa inaugurou sua terceira loja-conceito no País, no Recife (PE).
As outras duas ficam em São Paulo e no Rio de Janeiro. Esta é mais uma das iniciativas implementadas para incrementar a participação da marca no mercado brasileiro. De acordo com o presidente da Amway Brasil, Ricardo Castro, a expectativa de crescimento das vendas nacionais é de 125% em 2011.
No desempenho mundial, o destaque fica por conta dos mercados da China, líder de vendas da marca, Índia, Coreia e das Américas impulsionaram os resultados positivos. Para Steve Van Andel, presidente do Conselho da Amway Global, o ano foi importante para a empresa. “
De acordo com a Amway, a Nutrilite, divisão de suplementos de vitaminas e minerais, registrou um bom desempenho em 2010 e registrou US$ 4 bilhões de vendas no ano, o que representou 42% do total das vendas, seguida pelo segmento de beleza, responsável por 15% no ano.

Fonte: DCI- comércio , Industria & Serviços

 

Cadastre-se em http://amway.com.br/pronaturais.meusite

Amway inaugura em Boa Viagem primeira loja-conceito no Nordeste

Febre nos anos 1980, uma das maiores empresas do segmento de venda direta do mundo, a Amway, acaba de inaugurar sua primeira loja-conceito no Nordeste. Denominada de Centro de Experiência Amway, a unidade funcionará em Boa Viagem, zona sul do Recife. O espaço de 350 metros quadrados atenderá desde o consumidor final até os distribuidores independentes em Pernambuco e estados vizinhos. O empreendimento custou R$ 950 mil.

“Até então, nossas lojas eram equipadas para atender exclusivamente os revendedores. Com os centros, possibilitamos ao consumidor final conhecer melhor e adquirir diretamente os nossos produtos”, explicou em nota à imprensa Davi Damazio, gerente de Marketing da Amway do Brasil.

Além de ser uma unidade voltada à promoção de produtos, o centro montado em Boa Viagem funcionará como local para ministrar workshops sobre tratamento de cabelos, pele, nutrição, limpeza doméstica, entre outros temas relacionados aos itens comercializados pela empresa. Um dos carros-chefe da Amway é a marca de suplementos de vitaminas e minerais Nutrilite.

“Recife é uma cidade com grande potencial de crescimento para o negócio Amway e tem uma posição geográfica privilegiada para atender os revendedores de toda a região”, destacou Castro.

As lojas-conceito da Amway no Brasil seguem uma tendência da empresa na América Latina. Modelos semelhantes foram adotados em El Salvador, no México, Colômbia, Venezuela e Argentina. A Amway, que foi criada em 1959, fechou o ano de 2009 com vendas globais acima de US$ 8,4 bilhões.


Serviço:
Av. Conselheiro Aguiar, 2360, Boa Viagem, Recife.
Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h, e aos sábados, das 9h às 18h
Da redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

Amway: E o meio-ambiente

O ambiente

Em 1959, A Amway começa a comercializar o LOCT – Limpador Orgânico Concentrado e, a partir daí, cria o compromisso ambiental da Amway em desenvolver produtos de limpeza biodegradáveis. Seu nome – Limpador Orgânico Concentrado – traduz este compromisso. Este compromisso inicial com o meio ambiente se tornou a base de nossa filosofia corporativa.

Cinco décadas depois, o nosso compromisso com práticas de sustentabilidade ambiental continua forte e se estende até as nossas práticas de fabricação, aos esforços para reciclagem e a utilização de técnicas de agricultura orgânica. A Amway continua a inovar usando a energia reciclável, melhoria da redução na fonte de energia, produção de aerossóis livres de CFCs (clorofluorocarbonos), reduzindo compostos orgânicos voláteis, e utilizando ingredientes naturais de fontes renováveis em muitas de nossas linhas de produtos.

 

Protegido: Amway: One by One

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo: